sábado, fevereiro 23

" Deus me colocou no mundo destinada a ser atriz "

Ela está levando a arte de Caruaru para ser conhecida em todo Brasil. Aos poucos, a diva do teatro caruaruense, conquista cada vez mais espaço, mas sem esquecer,é claro, a essência e a humildade que a projetaram para alçar vôos cada vez mais altos.Conheça mais um pouco dessa artista que brilha nas telas da Rede Globo, e começa a dispontar nas telinhas de milhares de brasileiros.
1 – Você é reconhecida como a grande dama do teatro pernambucano. Existe um segredo para ser uma boa atriz?

R – Receber títulos enobrece e é sempre bem-vindo. Quando Deus me colocou no mundo já me destinou ser atriz, acredito nisso. As oportunidades no teatro me aperfeiçoaram, portanto, o segredo é do Criador.

2 – Qual o momento mais importante na sua carreira?

R – Momentos são ímpares, no entanto ser intitulada "MECENAS DAS ARTES CÊNICAS", juntamente com Ariano Suassuna e João Cabral de Melo Neto, indiscutivelmente é inesquecível!

3 – Qual sua proximidade com os fãs?

R – Sem barreiras. O artista é o que os fãs determinam que ele seja. O que seria o ator sem a platéia? Do talento sem o público? Os fãs estão acima do artista, pois, são eles que saboreiam a nossa arte. Quero-os o mais próximo possível!

4 – Como você tem sido tratada pela imprensa?

R – A função da imprensa é divulgar os fatos, no entanto, o carinho com que tenho sido tratada é extraordinário! É ela a responsável, direta, pela notoriedade do meu trabalho e o faz com extremo profissionalismo. Agradeço de todo coração e pra ela eu tiro o chapéu!

5 – Teatro, Cinema ou TV?

R – Linguagens específicas e inigualáveis; Cada uma tem o seu prazer. A diferença está no prazer instantâneo do teatro onde o artista sente o pulsar contagiante da platéia. Enquanto Cinema e TV nos proporcionam notoriedade nacional. Amo fazer os três!

6 – Qual a tendência atual da teledramaturgia?

R – Não a rotulo como tendência, mas como denúncia. É uma forma debochada e intrigante de expor, à sociedade, os problemas sociais, políticos e educacionais do povo brasileiro. Essa é a maneira mais descontraída de tratar assuntos sérios e que o povo entende.

7 – Ainda sente frio na barriga ao subir no palco?

R – Naturalmente! Cada espetáculo é único, e como tal, precisamos que o público não nos esqueça ao cruzar as portas do teatro. O peso da responsabilidade me deixa ansiosa, mas isso me faz muito bem porque me refaço a cada encenação.

8 – Se você pudesse definir sua trajetória em uma palavra, qual seria?

R – DISCIPLINA.

9 – De que você sente mais saudade em sua infância?

R – De quando era calouro nos programas de auditório da Rádio Difusora... Das brincadeiras de pastoril e barra-bandeira na Rua D. Pedro I... Das brincadeiras de casinha na Rua Martim Afonso... Quanta saudade dos meus amiguinhos!

10 – Como foi sua adolescência?

R – Muito trabalho e uma formação muito rígida. Passei por ela e nem me dei conta do que poderia degustar desse tempo que infelizmente não se repete.

11 – Que tradição conserva até hoje da sua juventude?

R – A fé em Deus e as lições de vida íntegra repassadas pela minha saudosa mamãe, Antonina Barbosa.

12 – Você tem um hobby?

R – Sim, o mais precioso: Fazer e cultivar amizades. Adoro bater papo com amigos!

13 – Você pratica algum esporte?

R – Sou preguiçosa pra isso. Faço caminhada esporadicamente.

14 – Você passou a cuidar mais da saúde?

R – Sempre fui uma pessoa saudável, graças a Deus! Não descuido dos exames de rotina e estou muito bem.

15 – O que você faz pra se manter tão bonita e jovem?

R – Bonita? São os seus olhos. Jovem?... Deve ser porque estou sempre aberta a novos desafios e conquistas.

16 – Até onde vai sua vaidade?

R – Não sou uma pessoa vaidosa. A única vaidade, assumida, é o meu trabalho de atriz. Disso eu não abro mão.

17 – Qual o seu maior desejo na vida?

R – A vida é uma roda-viva e a cada dia nos surpreende. Acho que o desejo de ontem não é o de hoje e o de hoje não seja o de amanhã. Portanto, deixa o tempo correr e ele se encarregará de responder, ok?

18 – Você já passou por algum momento realmente difícil?

R – Inúmeros! No entanto, nunca me deixei cair por nenhum deles. Sempre fui visionária e tenho uma força interior que me impulsiona e me faz ultrapassar barreiras e seguir de fronte erguida.

19 – Como você supera uma grande dor?

R – Cada dia com o seu fardo. Sofro, esperneio, choro até as últimas conseqüências. Depois enxugo as lágrimas, analiso a perda, levanto a cabeça e estou pronta para a próxima.

20 – Alguma vez já pensou em chutar- o- balde?

R – Não só pensei como já chutei e estou disposta a chutar tudo o que não me fizer bem. Desde o primeiro balde chutado aprendi que a única pessoa responsável pela minha felicidade, sou eu. Ninguém gosta mais de mim do que eu. Não coloquem balde à minha frente que já estou chutando, hem? Ah, ah, ah!

21 – Você acredita que é no sofrimento que se mais cresce?

R – Sim. A vida nos ensina e nos leva a caminhos que só a vivência é capaz de decifrar as reações. Temos consciência de que nada sabemos e que aprendemos um pouco a cada dia. Caindo, levantando, levantando, caindo... É uma "vida boa aperreada", como diz o poeta.

22 – A que você faria um brinde?

R - À vida, ao amor, ao futuro!

23 – Medo?

R – De barata. Ah, ah, ah!

24 – Superstição?

R – Imunidade total.

25 – Uma mensagem.

R – "AMAR NÃO É APODERAR-SE DO OUTRO PRA SE COMPLETAR, MAS SE DAR AO OUTRO PARA O COMPLETAR"

Chrystian Arruda